Permanências do Reencontro

A presente pesquisa é fruto de práticas participativas junto a pessoas com deficiência. A partir da dissertação e exposição Apagamentos retratos da privação, busquei responder aos apagamentos sociais da deficiência no campo da arte atrelando práticas participativas, processos fotográficos alternativos e o reencontro com as pessoas as quais fizeram parte da minha produção artística. Por meio de um laboratório de experimentações fotográficas – adaptado e portátil – intencionei possibilitar que pessoas com deficiência elaborassem seu próprio discurso, estimulando diálogos e a produção de setenta e quatro imagens fotográficas, articulando os conceitos enquadramento e precariedade como gesto. Esta pesquisa e a prática artística culminaram na exposição Permanências do reencontro realizada no Museu da Escola Catarinense - MESC – compondo-se pela apresentação dos processos e seus resultados fotográficos.

 

Rafael Schultz. Obra: Precariedade como gesto: fotografia & gambiarra. Processo de trabalho, arte colaborativa / participativa.
Rafael Schultz, Divaldo Pickcius. Obra: Precariedade como gesto: fotografia & gambiarra. Sala de aula para artesanato, APAE. Fotografia analógica artesanal, filme raio-X.
3 copy.jpg
Ana_Flávia_45x60_Fotos_tese_(59_de_76).j
Rafael Schultz, Divaldo Pickcius. Obra: Precariedade como gesto: fotografia & gambiarra. Foto de Paisagem com interferência. Fotografia analógica artesanal, filme raio-X.
45x60 Fotos tese (7 de 76).jpg
DSC_0031.jpg
DSC_0039.jpg
DSC_0033.jpg